2021-01-13

Agroturismo em Gramado: desbrave os encantos da vida rural da cidade

Gramado foi colonizada por imigrantes portugueses, em 1875, e poucos anos depois recebia também alemães e italianos. A vocação pela agricultura desses imigrantes ajudou a construir a agroindústria que hoje é um dos destaques da economia local, assim como o turismo, que leva todos os anos mais de 5 milhões de pessoas à cidade. E por que não juntar agricultura e turismo para compartilhar a cultura do homem do campo gaúcho? O agroturismo em Gramado surgiu com o intuito de fomentar a valorização da nossa história e enriquecer a viagem dos turistas que se encantam com as belezas naturais, a culinária e, claro, toda a tradição gaudéria.

Os passeios são feitos a bordo de um charmoso e antigo ônibus carinhosamente apelidado de “Princesinha”. São várias opções de roteiros (com valor, em média, de R$160,00), que começam pela manhã ou à tarde e tem paradas para degustação das delícias do campo. Veja a seguir os principais passeios rurais que você pode e deve fazer em Gramado.

Tour do Vale

Com saída na Praça das Etnias, o Tour do Vale é uma imersão no campo com ar puro e casas coloniais de famílias italianas e alemãs. O Vale do Quilombo tem farta vegetação, rios e cachoeiras, muitas araucárias e parreiras de uva a perder de vista. A primeira parada é na propriedade da Família Marcon, onde os visitantes conhecem parte da história dos imigrantes italianos, alimentam ovelhas e se deliciam com as geleias e sucos de uva produzidos ali mesmo pela família. Na Família Perini, os turistas fazem uma viagem no tempo ao entrar em uma casa que conserva móveis e utensílios de seus antepassados. A parada no Alambique dos Rossa é uma verdadeira aula sobre a produção de cachaças conduzida pelo próprio proprietário e produtor Romeu Rossa. A última e mais saborosa parada é na Família Baretta, propriedade construída no estilo enxaimel, que recebe os visitantes com uma mesa farta de bolos, pães, cucas, geleias, sucos e cafés, além de produtos coloniais para quem quiser levar um pouco da culinária gaúcha para casa.

Raízes Coloniais

Um passeio na tradição gramadense, assim pode ser descrito o roteiro Raízes Coloniais. Dentro de um cenário bucólico, o tour começa na Casa Centenária, construída em madeira em cima de um porão de pedras onde são armazenados queijos e vinhos. A segunda parada é o Moinho Cavichion, onde os visitantes são recebidos pelos proprietários que contam a história do moinho, que inclusive ainda conserva as ferramentas de trabalho usadas no começo do século XX. Também é possível observar a produção da farinha de milho como era feita antigamente. Em seguida, na Ervateira Marcon, os turistas veem de perto a produção da erva-mate, muito consumida pelos gaúchos e matéria-prima do chimarrão. Depois, pode, inclusive, degustar dessa bebida que é um verdadeiro patrimônio sulista. No Museu Fioreze, Nelson Fioreze narra de forma bem-humorada a história de objetos e relíquias conservadas por ele. Depois, ele convida os visitantes a irem na sua farmácia, que nada mais é do que a adega onde se degustam vinhos e licores.  Antes mesmo de chegar na propriedade da Família Foss já é possível sentir o cheiro de pães recém-saídos do forno. Dona Zulmira Foss recebe os turistas com muita alegria e músicas típicas italianas. O passeio se encerra com um banquete de pães, geleias, manteiga, salames, queijos e muita história para contar.

O Quatrilho

O Campestre do Tigre e Tapera é um cenário cinematográfico, onde foi filmado um dos maiores sucessos do cinema nacional O Quatrilho. A primeira parada é na propriedade centenária da Família Lazaretti, onde os visitantes passeiam entre imensos parreirais de uva e kiwi, além de conhecerem a adega com barris de mais de cem anos onde são envelhecidos vinhos coloniais. Já no Moino Colonial da Família Grins, os turistas têm a oportunidade de ver de perto o lugar onde os protagonistas do filme O Quatrilho viveram um grande romance. No Morro da Polenta, a vista é o grande protagonista! Com um mirante a 900 metros de altura, se vê uma natureza exuberante e a estrada que liga Gramado a Nova Petrópolis. Para finalizar com chave de ouro, a propriedade da Família Ramm recebe a todos ao som de sanfona e uma mesa com o típico café colonial alemão.

Foto: Imagens Cinematográficas

Caminhos – Vila Ávila

Um roteiro marcado pela tradição cultural de imigrantes que fizeram do trabalho sua razão de viver e ajudaram a construir Gramado. O passeio começa de manhã cedinho, na propriedade da Família Wagner, onde já são servidos geleias e doces produzidos pelo casal Lírio e Terezinha. O destaque fica por conta da plantação de morangos e árvores frutíferas, e na época da colheita é oferecido o esquema “colha e pague” para que os visitantes possam se deliciar com as frutas frescas e colhidas por eles mesmos. Depois do aperitivo das frutas, a parada na Cantina Nonno Giovanni vem a calhar. Ali, são servidos cafés, salames, queijos, pães, conservas, mel e muito mais. Além disso, a produção de vinho artesanal dos proprietários é aberta aos visitantes com degustação e explicação sobre arte da vinicultura. A Vivenda Schönrhein é um refúgio dentro do refúgio. O casal João Pedro e Rose Marie Rheinheimer fazem uma introdução sobre sua filosofia de vida, alimentação orgânica e terapias holísticas. No famoso Sítio Tradição o passeio se encerra com uma demonstração dos costumes gaúchos, com vestimentas e músicas típicas. Além disso, o artesanato produzido por lá segue as tradições alemãs e francesas. Como não poderia deixar de ser, para finalizar, uma deliciosa costela na vala é servida aos sortudos visitantes.

Se Gramado está em seus planos de viagem, não deixe de conhecer esse outro lado da cidade. Além de enriquecedor, é sempre muito bom saber um pouco da história do nosso país em toda a sua diversidade. E para ter sempre a oportunidade de viajar a Gramado e outras cidades do Brasil, conte com o Wyndham Club Brasil, o clube de férias onde você viaja no seu tempo e do seu jeito. Clique e saiba mais.

Compartilhe esse artigo
Artigos relacionados